Sobre homoafetividade…

 

Recebemos uma msg de um praticante sobre relacionamentos homoafetivos e esclareci com ele sobre a postura budista sobre o assunto…
Praticante: “Sinto informar que não mais participarei dos encontros. O motivo é que eu não gostei nada do que o reverendo disse sobre o Budismo ser a favor do casamento gay. Quero esclarecer que “conduta sexual impropria” é homossexualismo!”
RESPOSTA:
Prezado, aqui é o Monge Hondaku… pela sua mensagem vejo que vc tem uma visão distorcida dos ensinamentos budistas que me coloco aqui a disposição para elucidar. Um dos preceitos budistas é “não ter conduta sexual imprópria” sem dúvida alguma. Mas o que é uma conduta sexual imprópria de acordo com os ensinamentos budistas afinal?
Para responder a isso temos que voltar ao Primeiro Giro da Roda do Dharma, o primeiro discurso que o Buda proferiu logo após à Iluminação. Nesse discurso ele falou sobre as Quatro Nobres Verdades, que basicamente determina: a vida é desequilibrada e cheia de sofrimento, esse sofrimento é causada pelos Tres Venenos Mentais: A ignorancia, o apego e a raiva. Dessa forma a base da doutrina budista é não gerar sofrimento, eliminar o apego e aplacar a raiva. Assim, a resposta para determinar qual é a conduta sexual impropria temos que fazer 3 perguntas:
1) essa conduta (hetero ou homoafetiva) gera sofrimento para as partes envolvidas? 2) essa conduta gera apego para as partes envolvidas? 3) essa conduta gera raiva para as partes envolvidas?
Se a resposta for NÃO para as 3 perguntas, de acordo com a doutrina budista e os ensinamentos tradicionais ensinados pelo Honrado do Mundo, a conduta não é imprópria.
É muito fácil e simples analisar isso… vamos analisar uma relação heterosexual:
1) Pode trazer sofrimento? Se sim, é impropria. Se não, está ok. 2) Pode gerar apego? Se sim, é impropria. Se não, está ok. 3) Pode gerar raiva? Se sim, é impropria. Se não, está ok.
Agora vamos analisar uma relação homoafetiva:
1) Pode trazer sofrimento? Se sim, é impropria. Se não, está ok. 2) Pode gerar apego? Se sim, é impropria. Se não, está ok. 3) Pode gerar raiva? Se sim, é impropria. Se não, está ok.
Agora vamos analisar uma relação de pedofilia:
1) Pode trazer sofrimento? COM CERTEZA, então é impropria e nem precisa analisar as demais condições.
Agora vamos analisar uma relação violenta:
1) Pode trazer sofrimento? COM CERTEZA, então é impropria e nem precisa analisar as demais condições.
Quando vc afirma categoricamente, nas suas palavras, que “conduta sexual imprópria É a relação homossexual” me deixa preocupado, pois me parece que outros tipos de relação que realmente causam sofrimento ficam fora da sua análise. OU seja, para quem le, parece que desde que a relação não homoafetiva, para vc tudo bem. O que é um grande erro de percepção da realidade.
Aproveitando, o Buda falava tb sobre os “vipalassa”, ou seja, os erros de percepções da realidade e o quanto isso gerava sofrimento e um karma culposo. O Buda no Sutra Vipallasa determina que as distorções da percepção da realidade, de pensamento e de visão são causadas pela avidya, pela ignorancia. Nesse caso, ignorancia não está relacionado ao QI ou a inteligencia, mas avidya é a falta de clarez sobre a Sabedoria, sobre o Dharma. Ou seja, quando vc afirma que um ensinamento É o que vc pensa que é sem se aprofundar, vc distorce o Dharma por uma percepção errada (sanna-vipallasa). Isso leva a uma distorção de pensamento (citta-viapallasa) e então a uma distorção da realidade (ditthi-vipallasa) e que em ultima instancia te leva ao apego e à raiva, lhe causando sofrimento e gerando um karma negativo que nos mantém no samsara.
Infelizmente essas vipallasa são formações mentais que da mesma forma nos levam ao racismo, ao sexismo e à aversão. Iniciamos com uma pequena distorção por um assunto mas nossa mente se molda para todos os outros.
Assim, o budismo não se importa com relações amorosas ou sexuais, desde que não causem sofrimento, raiva ou apego. Essa É a doutrina budista, baseada nos Sutras e não em achismo e é somente isso que podemos lhe oferecer no templo: budismo puro e simples, no qual respeitamos todo e qualquer indivíduo, mesmo os de karma ruim e não discriminamos absolutamente ninguém, pois seguimos NA INTEGRA os ensinamentos do Leão do Dharma.
Se você não concorda com o Budismo em sua essência e totalidade é uma escolha sua e totalmente respeitável e tenho certeza que você encontrará várias denominações religiosas que disciminam os seres humanos simplesmente porque amam outro ser humano e acolhem pessoas com esse mesmo pensamento.
O que podemos dizer é que nosso templo está sempre de portas abertas para quem quiser aprender o Caminho do Dharma, o caminho de eliminar o sofrimento, o apego e a raiva. Fora isso, creio que não podemo proporcionar mais nada.  Seja sempre bem-vindo.